Portuguesa de 74 anos entre os mortos do atentado em Barcelona

18.08.2017

|

Actualidade

Uma mulher de nacionalidade portuguesa, nascida em 1943 e residente em Lisboa, é uma das 13 vítimas mortais do ataque registado na quinta-feira, nas Ramblas, no centro de Barcelona, confirmou à Renascença o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas. A neta, de 20 anos, está desaparecida.

Apesar da lista das nacionalidades afectadas pelos ataques divulgada pelas autoridades não incluir portugueses, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, confirmou a morte de uma mulher de nacionalidades portuguesa, bem como o desaparecimento de outra.

“A informação que conseguimos confirmar, hoje, ainda durante a manhã, foi a de que há, de facto, uma vítima mortal, nascida em 1943, natural da região de Lisboa. Temos também a informação de que há uma segunda pessoa, da qual não se conhece paradeiro, que estaria a acompanhar em turismo esta senhora de mais idade falecida nos atentados de ontem. É em torno dessa preocupação que estamos agora concentrados, para tentar verificar se é possível apurar o seu paradeiro e se eventualmente será ou não uma das vítimas que ainda falta identificar”, disse José Luís Carneiro à Renascença.

O secretário de Estado já informou a família da vítima mortal portuguesa, a quem transmitiu “disponibilidade para apoiar em tudo o que for necessário”, nomeadamente na identificação e nos procedimentos para a trasladação do corpo.

Segundo as informações recolhidas pelo Governo junto dos hospitais que receberam vítimas do ataque, entre os feridos não há portugueses, disse José Luís Carneiro à Lusa, adiantando que há cerca de 35 mil portugueses inscritos nos serviços consulares na região da Catalunha.

“Mas há depois uma população flutuante, sobretudo do fluxo de turismo, fluxo de trabalho, fluxo de investimento, há, de facto, muitos fluxos, que têm como destino Barcelona. Portanto, temos de continuar, como sempre dissemos, a aguardar por todas as informações até às ilações finais”, sublinhou.

Rádio Renascença