Esquerda chumba rejeição do Programa de Estabilidade

21.04.2017

|

Actualidade

A maioria de esquerda chumbou esta sexta-feira o projecto de resolução do CDS-PP que propunha a rejeição do Programa de Estabilidade 2017-2021 apresentado pelo Governo.

O projecto de resolução apresentado pelos centristas foi chumbado com os votos contra do PS, BE, PCP, PEV, tendo os votos favoráveis do PSD e do CDS-PP e a abstenção do PAN.

O CDS-PP tinha apresentado inicialmente uma resolução para a revisão do Programa de Estabilidade no sentido de retomar as reformas estruturais adoptadas pelo anterior executivo, assim como políticas para o crescimento económico, que substituiu por um texto pedindo a sua rejeição.

Com a mesma votação foi ainda chumbado o projecto de resolução do CDS-PP que recomendava ao Governo que adoptasse no Plano Nacional de Reformas "um conjunto de medidas que permitam colocar Portugal numa trajectória sustentada de crescimento económicos e do emprego".

Numa declaração de voto em nome do PS após as votações, o deputado Ascenso Simões acusou o CDS de ter entrado no debate "de peito feito", mas "saído de costas com uma votação inconsequente".

"O país ganhou com esta votação e os partidos à nossa direita perderam a sua votação e a proposta política", criticou o deputado socialista.

Na resposta, o deputado do CDS-PP Pedro Mota Soares sublinhou que "o voto é a forma como a vontade se expressa numa democracia" e é nesse momento que cada grupo parlamentar "deu apoio ou não" a um Programa Nacional de Reformas "que podia e devia ser muito melhorado".

"Quem à terça e quinta se apresenta como oposição ao Governo, chegam aqui à sexta e demonstram aquilo que são – o suporte ao Governo, o ponto de apoio ao Governo, até já há quem no PS vos chame a muralha de aço", afirmou Mota Soares, dirigindo-se às bancadas do PCP, BE e PEV

Rádio Renascença