Marcelo almoça com Ferro Rodrigues antes de ouvir queixas de Cristas

24.02.2017

|

Assembleia da República

O chefe de Estado almoça, esta sexta-feira, com o presidente da Assembleia da República, recebendo depois a líder do CDS-PP numa audiência em que Assunção Cristas pretende "denunciar” os problemas com os direitos das minorias no parlamento.

Fonte da Presidência da República disse à Lusa que o encontro entre Marcelo Rebelo de Sousa e Eduardo Ferro Rodrigues já estava agendado e constitui uma retribuição do chefe de Estado às várias refeições que o presidente da Assembleia da República lhe ofereceu.

A audiência de Assunção Cristas com o Presidente da República foi anunciada pela própria líder do CDS-PP durante o debate quinzenal com o primeiro-ministro no parlamento, na quarta-feira.

A líder centrista anunciou que irá "denunciar o que se passa" na Assembleia da República quanto aos direitos das minorias na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos.

Já esta quinta-feira, Assunção Cristas adiantou que quer “prestar a melhor informação possível de viva voz” ao Presidente da República.

“É o que amanhã [hoje] farei, com certeza conhecendo bem quais são os papéis dos diferentes atores constitucionais e políticos, mas certamente referindo o que é, na nossa perspetiva, o direito ou os direitos, da oposição que lhe estão consagrados nos regimentos da Assembleia da República (…) e nesse quadro sinalizar um decorrer de episódios que não dizem nada de bom sobre o funcionamento atual do nosso Parlamento”, referiu.

Também na quinta-feira, o presidente da Assembleia da República garantiu que a sua “imparcialidade é total” e que só é condicionado pela Constituição, pelo regimento [do parlamento] e pelas leis.

“Efetivamente, a minha imparcialidade é total. É evidente que há pessoas que continuam a pensar que a maioria é a mesma de há um ano e meio, mas, infelizmente para elas, não é e, portanto, têm que se habituar às novas regras e às novas circunstâncias democráticas da Assembleia da República”, disse Ferro Rodrigues.

Em entrevista divulgada também na quinta-feira pelo jornal Público e pela Rádio Renascença, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, acusou Ferro Rodrigues de parcialidade, considerando que o presidente da AR “teve uma intervenção muito infeliz” no âmbito do processo sobre a Caixa Geral de Depósitos.

O presidente da AR “começou por levantar obstáculos sem fundamento à delimitação do objeto inicial e chegou ao limite de, na conferência de líderes, dizer ao PSD e ao CDS que era um mau serviço ao parlamento suscitar o assunto do boicote a que estamos a ser sujeitos”, acrescentou Luís Montenegro.

Lusa