Ultimato de Costa: “Limite é mesmo hoje” para resolver greve dos estivadores

27.05.2016

|

Debates com o Primeiro Ministro

Há um novo pré-aviso de greve em cima da mesa, que pode prolongar protesto até 16 de Junho.

O Governo estabeleceu o dia de hoje como a data limite para que as partes em conflito no Porto de Lisboa se entendam, afirmou o primeiro-ministro, durante o debate quinzenal, em resposta ao presidente do PSD.

"O Governo estará totalmente empenhado em encontrar uma solução, o que justifica, aliás, a ausência da senhora ministra do Mar nesta bancada hoje de manhã. Mas, como eu ontem [quinta-feira] disse, tudo tem um limite, e posso-lhe acrescentar que o limite é mesmo o dia de hoje para que as partes se possam entender", declarou António Costa.

Antes, o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, tinha acusado o Governo de inacção face à greve de estivadores no Porto de Lisboa e questionado o primeiro-ministro sobre quais eram os limites a que se tinha referido: "Quais são esses limites?".

Passos Coelho referia-se a declarações feitas na quinta-feira pelo primeiro-ministro, que prometeu que hoje iria ser feito "um grande esforço negocial ao longo de todo o dia", acrescentando: "Mas há limites para tudo, e se a solução não for uma solução negociada, terá que ser encontrada outra solução".

O ex-primeiro-ministro salientou as consequências da greve no Porto de Lisboa para as exportações portuguesas e para o transporte marítimo para as regiões autónomas da Madeira e dos Açores.

Costa lembra 441 dias de greve

Em resposta, António Costa recordou o anterior período de governação PSD/CDS-PP, mencionando que "nos últimos três anos e meio houve 36 pré-avisos de greve e 441 dias de greve efectivos", ou seja "mais de um ano de greve consecutiva".

O primeiro-ministro disse também que, na altura, Passos Coelho qualificou essa situação como "um conflito entre privados", e contrapôs: "Para nós, é um conflito grave para a economia".

Depois de António Costa afirmar que "o limite é mesmo o dia de hoje para que as partes se possam entender", o presidente do PSD desvalorizou essa promessa, dizendo que em Dezembro do ano passado a ministra do Mar já tinha proclamado o fim das greves no Porto de Lisboa.

"A senhora ministra do Mar disse alto e bom som: acabaram-se as greves no Porto de Lisboa. Diz agora o senhor primeiro-ministro: hoje é o limite. Portanto, ficamos a perceber que limites para o Governo é um problema de tempo", observou Passos Coelho.

O presidente do PSD alegou que o executivo do PS considera um "aborrecimento" ter de resolver problemas. "Essa é a autoridade do Governo, e é por isso que o Governo não consegue resolver problemas, antes agrava problemas", acrescentou.

A administração do Porto de Lisboa, representantes dos operadores portuários e do sindicato dos estivadores estão reunidos esta sexta-feira no Ministério do Mar para negociações, depois de os operadores terem anunciado que vão avançar com um despedimento colectivos.

Os operadores do Porto de Lisboa anunciaram na segunda-feira a intenção de avançar com um despedimento colectivos por redução da actividade, depois de ter sido recusada uma proposta de acordo de paz social e para a celebração de um novo contrato colectivos de trabalho para o trabalho portuário no porto de Lisboa.

Novo pré-aviso de greve em cima da mesa

Entretanto, na quarta-feira, no final de um plenário de trabalhadores, em Lisboa, António Mariano revelou que hoje se iniciaria uma nova fase na luta dos trabalhadores com a entrega formal de um novo pré-aviso da greve, a prolongar-se até ao dia 16 de Junho.

A última fase de sucessivos períodos de greve, que se iniciou há três anos e meio, arrancou a 20 de Abril com os estivadores do Porto de Lisboa em greve a todo o trabalho suplementar em qualquer navio ou terminal, isto é, recusam trabalhar além do turno, aos fins-de-semana e dias feriados.

A paralisação tem sido prolongada através de sucessivos pré-avisos devido à falta de entendimento entre estivadores e operadores portuários sobre o novo contrato colectivo de trabalho.

Rádio Renascença

Mais Debates com o Primeiro Ministro

Costa confiante. Défice de 2016 será inferior a 2,5%

22.09.2016Debates com o Primeiro Ministro

Intervenção de Carlos César exaltou ânimos na bancada do PSD

08.07.2016Debates com o Primeiro Ministro

Sanções a Portugal acendem debate entre Costa e Passos

27.05.2016Debates com o Primeiro Ministro