Gulbenkian e Carlos Moedas apoiam novas soluções clínicas para África

18.12.2014

|

Ciência

A Comissão Europeia e a  Fundação Calouste Gulbenkian vão juntar-se para apoiar o desenvolvimento de  novas soluções clínicas para a SIDA, malária, tuberculose e doenças tropicais negligenciadas.  

O Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, Artur Santos Silva e o Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, assinam um Memorando de Entendimento no dia 19 de dezembro, na  Fundação Gulbenkian, em Lisboa. 

iniciativa enquadra-se na segunda fase do programa EDCTP (European and Developing Countries Clinical Trials Partnership), uma parceria entre a União Europeia e África, lançado em 2003, com um orçamento inicial de mil milhões de euros e que envolveu vários países europeus e africanos unidos no objetivo de "apoiar a investigação em SIDA, malária e tuberculose, acelerando o desenvolvimento de fármacos, vacinas, microbicidas e diagnósticos novos ou melhorados para estas doenças".  

Recentemente lançado na Cidade do Cabo, na África do Sul, o segundo programa desta Parceria - EDCTP2 -  elegeu também as Doenças Tropicais Negligenciadas como um dos alvos desta iniciativa, prevendo não apenas o financiamento de bolsas individuais e de projetos de investigação, como também o reforço das capacidades institucionais dos países da África Subsaariana e a implementação efetiva de ensaios clínicos adaptados ao contexto populacional de cada região. 

A Fundação Gulbenkian trabalha, desde 2008, numa iniciativa que agrega várias fundações europeias em torno das  Doenças Tropicais Negligenciadas . A parceria estabelecida no protocolo que será assinado entre a União Europeia e a Fundação Gulbenkian reconhece ainda o papel e experiência da Fundação na promoção e valorização dos recursos humanos, no reforço da capacidade institucional e no estabelecimento de redes cooperativas com os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).

Parlamento Global